23 de setembro de 2013

Colóquio - Culturas Protegidas

A Associação Interprofissional de Horticultura do Oeste está a promover um colóquio sobre culturas protegidas em colaboração com algumas entidades promotoras de um projecto de investigação.

Neste colóquio serão apresentados os resultados de um estudo sobre a importância da mosca-tigre como insecto auxiliar nas estufas do Oeste. Serão ainda apresentados os resultados de alguns ensaios em curso sobre um novo sistema de condução para a cultura do tomate, que permite melhorar a produção e a qualidade dos frutos sem acréscimos de despesa.

5ª feira, 3 de Outubro, às 14h30
Auditório da Junta de Freguesia de A-dos-Cunhados
ENTRADA LIVRE


1. Mosca-tigre – um predador nas estufas do Oeste
(mais info aqui)

- reconhecimento da mosca-tigre;
- importância como predador e compatibilidade com outros agentes de luta biológica;
- estratégias para incrementar as populações de mosca-tigre nas estufas.

Oradores:
Elisabete Figueiredo (ISA/UL); Célia Mateus (INIAV) ; Joana Martins (ISA/UL)


2. Novo sistema de condução da cultura do tomate
Produção –  Frutificação (PF)


- objectivos e métodos de implementação;
- vantagens e desvantagens identificadas nos ensaios em curso;
- potencialidades futuras.

Orador:
Ricardo Vicente (AIHO) 

Mosca-tigre - um predador nas estufas do Oeste


Mosca-tigre - um predador nas estufas do Oeste. Este é o tema de uma das intervenções que ocorrerão no Colóquio Culturas Protegidas (ver aqui) que a AIHO está a promover em colaboração com os seus autores. Um conjunto de investigadores estiveram envolvidos num projecto de estudo deste predador natural e os resultados desse trabalho serão apresentados no próximo dia 3 de Outubro, pelas 14h30, em A-dos-Cunhados. Serão também apresentados os resultados de alguns ensaios que a AIHO está a realizar com uma nova forma de condução da cultura do tomate.

A mosca-tigre é uma mosca predadora, ou seja alimenta-se de outros insectos, caçando-os. Encontra-se distribuída por quase todos os continentes e, em Portugal, foi detectada pela primeira vez, em estufas de produção de hortícolas, no Oeste, em 2001, pelo agricultor Sr. José Firmino. Actualmente, sabe-se que se encontra distribuída por todo o país (continente e ilhas).

Este insecto é o único predador que se conhece a atacar adultos de algumas das pragas mais importantes das estufas, como, por exemplo, mosca-branca, larva-mineira, tripes, esciarídeos, drosófilas e afídeos. Os outros predadores actuam apenas sobre estados imaturos dessas pragas.