24 de janeiro de 2013

Centenas de horticultores foram afectados pelo temporal de 19 de Janeiro

Desde a horticultura protegida até à produção em ar livre os estragos fizeram-se sentir de diversas formas. No ar livre foram afectadas essencialmente as culturas de couve-flor, couve-bróculo, favas e ervilhas, enquanto as culturas protegidas foram o tomate, a alface e o morango. A AIHO imediatamente iniciou a recolha de informação no campo e articulou com a Direcção Regional de Agricultura e Pescas de forma a facilitar o levantamento dos estragos causados e o início de um processo que, em muitos casos, poderá terminar com a entrega de algum apoio financeiro para recuperação do potencial produtivo das explorações afectadas.

A maioria dos estragos correspondem a plásticos rasgados em estufas, mas houve também muitas infra-estruturas que ficaram danificadas e até algumas destruições totais em locais mais expostos ao vento. No ar livre, perderam-se culturas inteiras nos locais mais expostos, uma parte da área é ainda difícil de avaliar os estragos pois depende da forma como a cultura vai recuperar.

Entre os muitos produtores contactados mais de setenta entregaram-nos os seus dados na expectativa de obter algum apoio financeiro para recuperar dos estragos causados. Estes produtores distribuem-se entre Mafra e Peniche e somam uma área com infra-estruturas danificadas próxima de 30ha, com uma média de 4 mil e duzentos metros quadrados danificados por exploração.