25 de novembro de 2011

Informação PRODER - Alterações às regras de obtenção de adiantamentos

Anteriormente os apoios PRODER concedidos em forma de adiantamento só podiam representar 20% da totalidade do apoio e tinham de ser regularizados até à data do primeiro pedido de pagamento. Em resposta à actual crise económica e financeira já é possível efectuar pedidos de adiantamento até 50% da totalidade do apoio e a obrigatoriedade de regularização foi estendida até ao final do período de execução do projecto.

Durante o 6º concurso da Acção 1.1.1. "Modernização e capacitação de empresas" foram apresentadas 1.487 candidaturas, que reunidas representam 900 milhões de euros em apoios. Como fundo nacional disponível é de apenas 50 milhões, muitos projectos não vão poder ser aprovados e apoiados por este montante, em consequência foi efectuada uma avaliação e hierarquização dos projectos de forma decidir quais os projectos a aprovar. Durante a segunda quinzena do actual mês de Novembro as entidades promotoras dos projectos começaram a ser notificadas das respectivas decisões.

Alertamos os beneficiários do PRODER que têm solicitações pendentes relativas a pedidos de pagamento já efectuados, que devem responder o mais célere possível de forma a conseguir enquadrar o apoio num fundo recentemente disponibilizado para o efeito.

para mais informação consulte o site do PRODER.

Novo produto autorizado para usos menores no controlo da áltica das couves - EPIK

A AIHO solicitou a autorização do produto EPIK SG, com base na s.a. acetamiprida, para o controlo da praga áltica (Phyllotreta sp) em couves repolho, couve-flor e couve bróculo. A autorização foi concedida a 11/11/2011 nas seguintes condições:

Dose: 250g p.c. / ha (50g s.a. / ha)
Intervalo de segurança: 21 dias
Máximo de aplicações: 2

Para mais informação consultar o ofício de autorização da DGADR.

Solorta, Sociedade de Agricultura de Grupo, Lda - Associados AIHO

A empresa Solorta, Lda foi fundada em 1983, em forma de Sociedade de agricultura de grupo, pelos ainda actuais e únicos sócios, José Silva e Luís Silva. Localizada em Atouguia da Baleia dedicou-se desde então à produção de diversas culturas hortícolas em estufa e ao fornecimento dos mercados locais.

 Actualmente, para além dos seus dois sócios a empresa emprega mais três funcionários a tempo inteiro e alguma mão-de-obra eventual em piques de campanha. A sua superfície agrícola útil corresponde a 3ha de produção em estufa e as culturas que pratica, por ordem decrescente de importância, são: tomate, alface, courgette, pepino, pimento, feijão verde e meloa. A alface foi em tempos a principal cultura, com uma importância económica superior a 50%, tendo sido ultrapassada pelo tomate. A courgette é a cultura mais recente e com um historial de apenas 3 anos tem vindo a aumentar a sua importância.